sábado, 21 de janeiro de 2017

ESTAÇÃO TRISTÃO CÂMARA - A Estação do Ramal de São José do Vale do Rio Preto já não existe mais.

Acima, o belo e único registro fotográfico que se tem conhecimento da estação de Tristão Câmara.



Acima, a represa inundando a antiga capela local e toda a comunidade de Tristão Câmara.




Estação Tristão Câmara (Figueira)
Estive próximo ao local da antiga Estação em: 06 de janeiro de 2017
Inaugurada em: 1886
Ramal: São José do Vale do Rio Preto – Km 109 (1938)
Situação Atual: Não existe mais. Estação e povoado foram inundados pela represa.




Graças à valiosa contribuição do amigo Dalmo Gonçalves Machado, de São José do Vale do Rio Preto, que me enviou as fotos antigas do povoado e o único registro fotográfico da Estação Tristão Câmara, foi possível publicar esta matéria. 
São fotos da página do facebook “Amigos para sempre!!” em que fiz um trabalho de restauração. 
Dalmo informou que estas fotos da inundação e da retirada da linha do trem em Tristão Câmara só foi possível através da recuperação feita por Raul Fernando do filme “Misérias e Grandezas de São José do Vale do Rio Preto", produzido pelo Dr. Eugênio Ruotulo Neto lançada em 1948.

Inicialmente denominada Figueira, a estação foi inaugurada em 1886 e fazia parte do Ramal de São José do Vale do Rio Preto. 
Mais tarde, por volta de 1933, mudou o nome para Tristão Câmara.
Por volta de 1940 o governo do estado construiu uma barragem no Rio Preto com o objetivo de produzir energia elétrica para a região.
Com o enchimento da represa que inundou uma grande área naquela região, a estação - bem como o povoado - ficou embaixo d’água atingindo também grande parte da linha da Leopoldina tornando inevitável a paralisação da ferrovia.

Outro povoado com o mesmo nome foi construído às margens da repesa, mas o Ramal Ferroviário acabou sendo desativado em 1947.

Acima, a antiga capela local prestes a ser coberta pela represa.



Acima, fotos da inundação e da retirada da linha do trem em Tristão Câmara. Esses registros só foram possíveis através da recuperação feita por Raul Fernando do filme “Misérias e Grandezas de São José do Vale do Rio Preto", produzido pelo Dr. Eugênio Ruotulo Neto lançada em 1948.




Nenhum comentário:

Postar um comentário