sexta-feira, 20 de julho de 2012

ESTAÇÃO RECREIO - Estação onde se encontrava o Triângulo que unia os dois principais ramais da EFL.








Estive na Estação em maio de 2012

Inaugurada em 1875


Linha Caratinga - km 308,081 (1960)




O belo prédio da Estação de Recreio encontra-se em plena atividade ferroviária, já que por ali passam os trens de bauxita com destino a Três Rios – RJ, porém sem nenhum movimento quanto à transporte de passageiros.
Em suas imediações existem um bom pátio de manobras e uma oficina de manutenção e pequenos reparos em locomotivas e vagões.
É bastante inusitado para quem chega de fora ver o trem circular pelas estreitas ruas da cidade fazendo grande barulho, parando momentaneamente o trânsito e demais atividades urbanas. Mas que é interessante isso é! Uma visão romântica que muitas cidades por onde o trem passou gostaria de ainda ter.
Recreio é também um dos mais importantes triângulos da Estrada de Ferro Leopoldina e ligava a linha do Centro Três Rios – Caratinga partindo de Ligação à Recreio - à linha Três Rios - Manhuaçu.
No prédio da Estação Ferroviária funciona o Centro Cultural e Ferroviário de Recreio e um TELECENTRO Comunitário.









Foto do acervo de J. A. Ferreira Jr.


domingo, 15 de julho de 2012

RAMAL JUIZ DE FORA - Exposição Fotográfica "Leopoldina: O Ramal (in)Esquecido Juiz de Fora - Furtado de Campos".



No dia 10 de julho, saí para mais uma viagem de pesquisas e fotos pelos antigos ramais da Estrada de Ferro Leopoldina.
Após visitar as Estações de Tupi, Ubá, Ligação, Tocantins e Rio Pomba, encerrei os trabalhos em Goianá, visitando a Exposição “LEOPOLDINA: O (IN)ESQUECIDO RAMAL JUIZ DE FORA - FURTADO DE CAMPOS”, de Angélica Moreira Costa, Camila Campos Grossi Brasil e José Alberto Barroso Castanon, que acontece durante todo o mês de julho no Centro Cultural de Goianá, oportunidade em que fui muito bem recebido por Ana Cristina Fracetti, responsável pelo espaço cultural e por Helder Santos de Rezende, Secretário Municipal de Cultura e Turismo de Goianá.
Nesta mostra fotográfica, os expositores tiveram o cuidado de apresentar fotos aéreas demarcando todo o leito da ferrovia, destacando os pontos mais marcantes do trajeto como as Estações, casas de turma e pontes. 
O Ramal partia de Furtado de Campos passando por Rio Novo, Goianá, Ferreira Lage, Água Limpa, Filgueiras e Grama chegando a Juiz de Fora.

A seguir, um breve histórico da Exposição e algumas das fotos apresentadas.
O último trem de passageiros saiu de Juiz de Fora em 31 de janeiro de 1972 e, dois anos depois, em 8 de setembro de 1974, o ramal foi suprimido pela RFFSA. O ramal da Leopoldina encontra-se desativado e os trilhos foram totalmente retirados.
Este ramal foi formado pela união de duas ferrovias: a Companhia Estrada de Ferro Juiz de Fora à Piau e a Companhia Estrada de ferro Ramal de Rio Novo. A primeira, constituída em 1881 foi, em 1888, unida ao Ramal de Rio Novo.
A segunda, constituída em 1882, implantou o trecho entre Furtado de Campos e Rio Novo. Em 1913, a Estrada de Ferro Leopoldina tornou-se proprietária do ramal que ligava Juiz de Fora à cidade de Rio Novo.
Depois de todo esse tempo, o ramal teima em não ser esquecido, graças às ações de loucos e voluntariosos anônimos, portadores das memórias e das histórias daquele ramal, trecho de uma via permanentemente lembrada.
Concepção da Exposição e Pesquisa Documental:
Angélica Moreira Costa, Camila Campos Grossi Brasil e José Alberto Barroso Castanon



Abaixo, seqüência de registros da exposição " Leopoldina: o (in)esquecido Ramal Juiz de Fora - Furtado de Campos.












O jornal "O Lince" registrando o fim do ramal.




Helder Rezende - Sec. de Cultura e Turismo, Ana Fracetti - responsável pelo Espaço Cultural e Amarildo Mayrink.




quinta-feira, 12 de julho de 2012

ESTAÇÃO RIO POMBA - Estação Terminal do Ramal do Rio Pomba.







Estive na Estação em julho de 2012

Inaugurada em 1º de julho de 1886

Ramal de Rio Pomba - km 280,214 (1960)




Estação de Rio Pomba foi inaugurada em 1886 pela E. F. Leopoldina com o nome de POMBA. Há fontes que dão a data de abertura como sendo em 02 de julho de 1879. Ela era a estação terminal do Ramal do Rio Pomba e foi fechada com o ramal em 01 de maio de 1965, sendo que o fechamento do ramal para trens de passageiros ocorreu em julho de 1964.
A Estação de Pomba foi reformada pela Loja Maçônica Fraternidade Mineira, que hoje é responsável por sua conservação. Em frente à Estação havia uma grande cooperativa de laticínios, onde o leite ali produzido seguia pela Leopoldina para Guarani e de lá para o Rio de Janeiro.
Em Rio Pomba, além da oportunidade de conhecer e fotografar a Estação Ferroviária, pude também conhecer o Museu Histórico da cidade, onde fui muito bem recebido por Sr. Assuéro, pesquisador e responsável pelo espaço cultural, que além de um grande acervo resgatando toda a história do Município, me apresentou também uma ala destinada à passagem da ferrovia por Rio Pomba com as belíssimas fotos expostas aqui no site, além de peças, ferramentas e utensílios utilizados pelos ferroviários na ferrovia e na Estação.
Outro detalhe marcante no Museu é o belo desenho feito por um aluno de uma Escola Municipal relembrando o Bonde de tração animal que ligava a Estação ao centro da cidade, já que, fugindo aos padrões da época, a mesma não estava localizada no centro - que em Rio Pomba se situa num plano mais alto - mas num bairro periférico.
HISTORICO DA LINHA: O ramal do Pomba, também chamado de ramal do Rio Pomba, foi autorizado por uma concessão provincial em 1878 e foi aberto ao tráfego em 01/07/1886, saindo da estação de Guarani, na linha Três Rios-Caratinga, e atingindo a cidade de Pomba. Foi fechado em 01/05/1965 (fonte - www.estacoesferroviarias.com.br ).










Além de encontrar a Estação em perfeitas condições, hoje mantida pela Maçonaria, tive também a oportunidade de conhecer o Museu Histórico de Rio Pomba, onde tive a alegria de registrar as fotos abaixo, que resgatam a história da ferrovia na cidade.










Na foto acima, o prédio da cooperativa de laticínios, de onde o leite ali produzido seguia pela Estrada de ferro Leopoldina para Guarani e de lá para o Rio de Janeiro.



Na foto acima, o Girador para Locomotivas.



Acima, o belo desenho de aluno de uma Escola Municipal retratando o Bonde de tração animal que levava os passageiros da Estação até o Centro de Rio Pomba.




segunda-feira, 9 de julho de 2012

PARADA JOAQUIM VIEIRA - Pequena parada rumo a Mirahy.




Estive na Estação em maio de 2012

Inaugurada em 1895

Ramal de Mirahy - km 363,072 (1960)




Partindo de Sereno com destino a Mirahy Joaquim Vieira era a primeira parada, destinada ao escoamento da pequena produção rural da região, como leite, aves e hortaliças.
Ali existia a plataforma com uma pequena cobertura de telhas francesas sustentada por uma estrutura feita em trilhos nos moldes tradicionais e comum a todas as pequenas paradas da EFL. A cobertura já não existe mais, encontrando-se apenas pequenos pedaços dos trilhos de sustentação da antiga cobertura - provavelmente cortado no maçarico – na pequena plataforma, único sinal de que um dia a ferrovia passou por ali.