quarta-feira, 18 de maio de 2011

Estrutura de uma pequena ponte localizada na Serra de BICAS para a Estação de TELHAS.


Fotos: 10/2009.





A descida da Serra de Bicas para o antigo Posto Telegráfico de "Telhas" com destino à Estação de Rochedo de Minas oferece belíssimo visual. Percorrendo o antigo leito da ferrovia encontrei a estrutura de uma pequena ponte sob a qual servia provavelmente de escoamento das águas da chuva. Mesmo passado tanto tempo, percebe-se a qualidade da estrutura, com a ferragem apoiada em bases de concreto e pedras. 

Saiba mais sobre o Posto Telegráfico de Telhas visitando o link abaixo:
http://otremexpresso.blogspot.com.br/2016/06/estacao-telhas-misterio-desvendado.html









Fotos: 10/2009.










segunda-feira, 9 de maio de 2011

ESTAÇÃO TELHAS - Mistério desvendado. Encontrado o Posto Telegráfico de TELHAS, entre Bicas e Rochedo de Minas.





Plataforma da Estação de Telhas - fotos: 10/2009.







Estação-Posto Telegráfico de Telhas
Estive no local em: 09 de outubro de 2009
Inaugurada em: sem informação
Ramal: Linha de Caratinga – Km 199,772 (1960)
Altitude: 463m

Situação Atual – Demolida. Só encontrei a plataforma e a Casa de Turma.









Pouco se sabia sobre o Posto Telegráfico de Telhas, Estação localizada na descida da serra de Bicas para Rochedo de Minas.
Após muitas conversas com ferroviários aposentados buscando alguma foto ou referência da estação, decidi refazer o percurso pelo antigo leito da ferrovia e aí veio a recompensa: num belíssimo cenário no meio da serra, encontrei um prédio (provavelmente uma casa de turma) com parte de suas características ainda preservada, em especial sua fachada. Com autorização do atual proprietário, procurei nas imediações, já que próximo à casa de turma existe uma bela nascente que, graças à grande pressão de saída de água foi transformada num belo chafariz. Era esta nascente que enchia a caixa d'água que abastecia as locomotivas a vapor. E ali bem próximo, finalmente encontrei as ruínas do Posto Telegráfico de Telhas, vendo-se o alicerce da estação e principalmente sua plataforma. A destacar que todo o leito da ferrovia nas imediações da estação está preservado, onde ainda podemos encontrar britas e bueiros, logicamente sem os trilhos. A destacar também a inclinação do leito apresentando uma forte subida em direção a Bicas.
Para ilustrar um pouco do romantismo da história da ferrovia, trago a história de Nair Rosa de Souza, viúva de Hélio Alves de Souza. Ele nos bons tempos da EFL foi Agente de Estação em Telhas, tendo trabalhado também em diversas estações na Zona da Mata mineira. Ela e as demais mulheres que moravam nas imediações da Estação tinham por hábito fazer bolos, café e doces para vender aos passageiros dos trens que ali paravam para abastecer as caldeiras das locomotivas com água.
Dona Nair e o Sr. Hélio se conheceram na Estação de Telhas, casaram-se e constituíram uma grande e bela família, que a cada transferência dele para uma nova estação seguiam todos com ele em nova mudança. Dona Nair e suas filhas moram hoje em Bicas.
 Além do posto telegráfico de Telhas, Sr. Hélio trabalhou também nas estações de Tocantins, Diamante de Ubá e Cataguases, além de Campos, no estado do RJ. 

Saiba mais sobre o Posto Telegráfico de Telhas visitando os link's abaixo:



Fotos: 10/2009.

















Leito com forte inclinação na subida da serra - fotos: 10/2009.

Bueiro nas imediações da Estação de Telhas.










domingo, 8 de maio de 2011

ESTAÇÃO BICAS - Prédio da Estação completa 132 anos.


Fotos: 05/2011.









Estação Bicas
Estive no local em: 06 de maio de 2011
Inaugurada em: 09 de setembro de 1879
Ramal: Linha de Caratinga – Km 191,922 (1960)
Altitude: 597m

Situação Atual – Memorial do Ferroviário Biquense, Centro Histórico Cultural, Artesanato Art’Bicas e Estação Rodoviária.











Um dos prédios mais tradicionais, de grande importância cultural e histórica da cidade de Bicas está fazendo aniversário! A antiga Estação Ferroviária, atual rodoviária da cidade, completa 132 anos de existência no dia 13 de maio de 2011. 
Inaugurada em 1879 pela Cia. União Mineira, e incorporada, com a linha, pela Estrada de ferro Leopoldina – E.F.L. – em 1884, o prédio é sem dúvida uma das mais belas edificações de Bicas. Na linha que passava por Bicas rodaram trens de passageiros até a primeira metade dos anos 1970, e foi suprimida oficialmente somente em 1994.
Hoje, além da rodoviária, lá também funcionam a loja de artesanato da Art’Bicas – Associação dos artesãos Biquenses e o Memorial do Ferroviário Biquense, que abriga belíssimas peças, fotos, pinturas e documentos que mantêm viva a história da ferrovia em Bicas.

Como prova do valor histórico e cultural da Estação Ferroviária de Bicas, apresento um trecho do Diário de Dom Pedro II, vol. 25, de 27 de abril de 1881(aª fa), copiado de José Carlos Barroso – Cessão Marcus Granado). Dom Pedro II andou na União Mineira passando por Bicas, em 1881:
-"(...) 5 ½ Acordei. Vou ler. Saio às 7h. Caminho conhecido até Serraria. Cheguei às 8 ¾ a Juiz de Fora. A cidade tem aumentado muito. Bela avenida com bonitas casas que devem arborizar. Almocei numa destas que é do Barão de Cataguazes. Partida do trem às 11h 10'. Nada de novo até Serraria. Aí entramos no trem da estrada de ferro da União Mineira. Percorremos 84km até o arraial - vila ainda não instalada de S. João de Nepomuceno. A estrada para subir parte da serra do Macuco tem 2 ziguezagues com plataformas. Tem 7 estações pequenas porém bem construídas conforme a aparência. Vista muito bela assim como mato viçoso de Bicas para diante. Descobre-se amplo vale fechado por altas montanhas, e perto de S. João avista-se a alta serra do descoberto de contorno original. Grande número de quilômetros a começar da Serraria passa a estrada por fazendas de café muito bem plantadas e algumas com casas feitas com bom gosto. Há interrupção de terras tão boas para voltarem estas. Vim conversando com o engenheiro Betim cuja direção inteligente e ativa revela-se no modo porque a estrada foi construída e tendo trilhos de aço, e com o desembargador Pedro de Alcântara Cerqueira Leite a cuja influência se deve sobretudo a estrada que é de bitola de um metro. (...)"  
Fonte: site Estações Ferroviárias do Brasil, de Ralfh Mennucci Giesbrecht
.

Um patrimônio desta envergadura é digno de uma grande festa. Por sua história e pela importância da ferrovia para nossa cidade, a antiga Estação Ferroviária - hoje Terminal Rodoviário José Croce - precisa da sensibilidade e atenção da secretaria de municipal de cultura para uma manutenção constante. Ela realmente merece! 
Presto minhas homenagens à nossa belíssima Estação Ferroviária fazendo uma das coisas que mais gosto: fotografar!

E com estas fotos, trago meus votos de “PARABÉNS”!



Fotos do Arquivo.


Acima, foto de 05/2011.





Abaixo, fotos de 04/2009.