quinta-feira, 28 de junho de 2012

POSTO TELEGRÁFICO DE RIBEIRO JUNQUEIRA - Pequena Estação abandonada próxima ao Distrito de mesmo nome.






Estive na Estação em maio de 2012

Inaugurado: 1970 ?

Linha do Centro - km 321,095 (1960)





O antigo Posto Telegráfico de Ribeiro Junqueira encontra-se abandonado, apesar de ainda estar em condições de ser recuperado sem maiores dificuldades, pois se trata de um prédio moderno, se comparado com as demais estações da antiga EFL. Hoje o local é utilizado apenas para pequenas manobras, já que em frente ao antigo Posto Telegráfico encontramos um trecho de linha paralelas.
No dia das fotos apresentadas, quando retornava de Recreio passando pelo distrito de Ribeiro Junqueira, ao chegar no antigo Posto Telegráfico encontrei uma locomotiva da FCA aguardando liberação para continuar viagem. 












segunda-feira, 25 de junho de 2012

ESTAÇÃO SERENO - Pequeno Distrito do Município de Cataguazes.







Estive na Estação em maio de 2012

Inaugurada em 1895

Ramal de Mirahy - km 357,441 (1960)




A Estação de Sereno encontra-se em excelente estado de conservação e está localizada em Distrito de mesmo nome pertencente ao Município de Cataguases. Graças à criação e efetiva atuação do DEMPHAC – Departamento Municipal do Patrimônio Histórico e Artístico de Cataguases que realizou o tombamento e amplas reformas em todas as estações da antiga estrada de ferro na área do Município, onde serão desenvolvidos nestes prédios diversos projetos culturais como em Sereno, onde funciona o Centro Cultural Laurentina Vaz Cruz – D. Tina.
Partindo de Cataguazes em sentido a Mirahy, chegava-se em Sereno onde se encontrava o triângulo que dividia o Ramal num trecho de maior extensão para Mirahy e um novo ramal para o Município de Santana de Cataguases.
Os dois ramais, o de Mirahy partindo de Cataguazes  e o de Santana de Cataguazes, que partia de Sereno, no primeiro ramal, foram abertos em 1895, pela E. F. Cataguazes, empresa que foi incorporada à Leopoldina em 26/03/1903. O ramal de Cataguazes foi suprimido em 10/04/1965 e o de Mirai, em 31/03/1967 (www.estacoesferroviarias.com.br/efl_ramais_1/sereno.htm)















quinta-feira, 21 de junho de 2012

Registro fotográfico de um dos mais famosos acidentes ferroviários de nossa região, num dos cenários mais belos da E. F. L.






Recebi do amigo Edson Honorato e-mail com fotos raríssimas que registram um dos maiores e mais famosos acidentes ocorridos em nossa região. Trata-se do descarrilhamento de toda uma composição que tombou dentro do Rio Novo, próximo à cabeceira da ponte existente entre as Estações de Furtado de Campos e São João Nepomuceno, divisa deste com o município de Rio Novo, um dos mais belos cenários da Estrada de Ferro Leopoldina.
Abaixo, o relato do Edson e as fotos que nos enviou:
“Caro amigo!.
Tudo o que sabemos devemos passar para o nosso próximo e nisso acho que pensamos da mesma forma. Praticamente por toda a minha juventude vivi às margens da E. F. Leopoldina aqui no Rio de Janeiro onde resido e por essa razão tenho preferência por ela (Leopoldina). Gosto do trabalho de campo da forma que você fez em relação às fotos da serra de BICAS (Estação de Telhas).
Por isso, hoje irei reportar-me às cenas do desastre registrado nas três primeiras fotos abaixo em que, segundo informações um tanto contraditórias, teria ocorrido em 24 de dezembro de 1945. Na madrugada daquele dia uma composição com carga diversa com destino a São João Nepomuceno perdera o freio e em conseqüência precipitou-se no rio cujo nome é Rio Novo. Do triste fato faleceu apenas o maquinista, visto que o foguista conseguiu pular da composição a tempo.
Como também gosto do trabalho de campo, na última vez que estive em Bicas refiz aquele trajeto, quando tirei as duas últimas fotos onde é possível perceber o declive acentuado do terreno por onde a composição passou já sem freios, a beleza natural do lugar e a qualidade da foto (modéstia à parte) da ponte que, apesar de nos trazer tristes lembranças, é um lugar realmente lindo.”






O mais interessante é que, alguns dias antes do Edson me enviar estas fotos, estive no mesmo local para fotografar este que é um dos mais belos cenários da antiga estrada de ferro que visitei até o momento, como pode ser visto nas fotos abaixo:


























sábado, 16 de junho de 2012

ESTAÇÃO ARACATY - Cenário de filme nacional.






Esta é a casa onde morava a família protagonista do filme "Meu pé de laranja lima", que mantém viva no povoado a lembrança de um grande momento.



Belíssima ponte entre Aracaty e Vista Alegre.




Estive na Estação em maio de 2012

Inaugurada em 21 de setembro de 1885

Linha de Centro - km 335,000 (1960)






Estação de Aracati foi inaugurada em 1885. Trata-se de outro povoado pertencente ao Município de Cataguases cuja pequena e bela Estação encontra-se em bom estado de conservação e nela funciona o Centro Cultural José Fernandes de Almeida (José Baixinho).
Quando paramos para conversar com moradores da localidade, o assunto que logo vem à tona é o filme “Meu pé de laranja lima”, que foi quase totalmente gravado ali. Inclusive a casa onde morava a família protagonista do filme está lá, embora aparentemente abandonada e sem morador, mas é um marco para toda a comunidade.
Na mercearia local, encontramos também uma bela pintura da artista A. Silva.
Os trens de minério da FCA ainda circulam pelo local levando bauxita para Barão de Angra, Três Rios – RJ.
Entre Aracaty e Vista Alegre existe uma belíssima ponte de ferro por onde também passam os trens de bauxita da FCA.




Abaixo, mais fotos mostrando detalhes da bela ponte entre Aracaty e Vista Alegre.

















Moradores do povoado de Aracaty, com que tive o prazer de conversar sobre a história da comunidade e relembrar um dos grandes momentos que ficaram na memória de todos: o filme "Meu pé de laranja lima", gravado na localidade. 

Abaixo, bela pintura na parede da mercearia local.







Abaixo, mais detalhes da Estação Aracaty e da chegada.











Esta é a casa onde morava a família protagonista do filme "Meu pé de laranja lima", que mantém viva no povoado a lembrança de um grande momento.



Povoado de Aracaty, vendo-se a Igreja ao fundo.