terça-feira, 29 de maio de 2012

ESTAÇÃO EUGENÓPILIS - A passagem do último Trem.

Foto: Gutierrez



Nesta matéria, apresentamos as fotos enviadas pelo amigo Edson Honorato que registraram a passagem do último trem por Eugenópolis – MG - ramal de Manhuaçú, acompanhadas de seu relato. 
“Estas fotos eu consegui em Eugenópolis – MG, num trabalho gostoso conhecido pelos pesquisadores como "garimpagem". Trata-se do último trem a passar pela cidade. Na primeira foto da seqüência abaixo, o trem aproxima-se da estação, oculta na foto (a foto do trem na Estação é de Hugo Caramuru)Na seqüência, a composição passa diante de um cidadão local e se afasta na curva. Na última foto, a imagem de desolação do mesmo cidadão enquanto o trem se afasta.”
Vendo estas fotos e sua importância histórica, penso sempre na possibilidade de que, em muitas cidades por onde os trens da EFL tenham passado, algum amigo ou amiga também tenha registrado em fotos este momento de valor histórico inestimável.
Se você acompanha nosso site e possui registros fotográficos de tamanha importância quiser dividir com todos os amigos leitores, é só enviar para o e-mail  otremexpresso@gmail.com

Fotos: Acervo Fotográfico de Edson Honorato e Hugo Caramuru.








.
Na foto de Hugo Caramuru abaixo, vemos a Estação de Eugenópolis.




sábado, 26 de maio de 2012

Histórias da LOCOMOTIVA N° 221 contadas por Edson Honorato.




Nesta matéria, apresentamos as fotos enviadas pelo amigo Edson Honorato da Locomotiva de N° 221, também acompanhadas de seu relato sobre ela.
Além das fotos do Edson, podemos ver a 221 em foto do acervo fotográfico de Hugo Caramuru e na foto do acervo otremexpresso, onde vemos a mesma 221 em frente ao portão das oficinas de Bicas.
Segue um breve histórico da 221 feito por Edson:

“As fotos apresentadas são da locomotiva de N° 221, que antes de prestar seus serviços na usina, pertenceu à Leopoldina onde rodava no trecho Três Rios – Dom Silvério. Da usina, a 221 seguiu de carreta até a estação de Campos, onde foi recolocada nos trilhos através de um guindaste da Rede Ferroviária, seguindo na traseira de uma composição para a cidade de Além Paraíba  para reforma, fato que até hoje não ocorreu.
Quanto às pessoas que aparecem nas fotos além de mim, sentado na frente da mesma e no areeiro na foto 04, da esquerda para a direita meu amigo José Luis Fróes, verdadeiro arquivo humano. Sabe tudo de historia ferroviária e preservação.
Logo após, o mecânico da usina que nos ajudou muito na missão de prepará-la para a viagem. Por último, o Moisés
Eu ele e Fróes fomos para Campos e lá permanecemos dois dias retirando todas as peças de mais valor comercial. Da usina, a 221 seguiu de carreta até a estação de Campos, onde foi recolocada nos trilhos através de um guindaste da Rede Ferroviária, seguindo na traseira de uma composição para a cidade de Além Paraíba para reforma, fato que até hoje não ocorreu. Se for de seu interesse, em outra oportunidade voltamos ao assunto da locomotiva 221. A verdade é que ela não virou sucata e continua aguardando a  tão merecida reforma nas oficinas da ABPF -regional cidade de Cruzeiro-SP.




sexta-feira, 25 de maio de 2012

ESTAÇÃO DONA EUZÉBIA - O prédio abriga hoje órgãos públicos e Polícia Militar.

Acima e abaixo, fotos de 21 de abril de 2012.





Estive no local da antiga Estação em maio de 2012

Inaugurada em abril de 1879

Linha do Centro - km 371,088 (1960)




.


Segundo informações extraídas do site www.estacoesferroviarias.com.br, de Ralph Mennucci Giesbrecht, a Estação de Dona Euzébia foi inaugurada em 1879 pela E. F. Leopoldina. Há fontes que citam a data de inauguração da estação como tendo sido em 28/02/1880. Os nomes desta estação e a de Astolfo Dutra têm uma história bastante confusa, como também citado no site referido anteriormente.
Hoje, o prédio da antiga Estação Ferroviária encontra-se em bom estado de conservação e nele funcionam o Museu do Patrimônio Histórico e Cultural de Dona Euzébia, o Centro Cultural Professora Adelina de Assis, o Telecentro Comunitário e a Biblioteca Municipal, além de um setor da Polícia Militar na cidade.
Em toda essa região é fácil encontrar o leito da ferrovia ainda com trilhos, como acontece na área urbana de Dona Euzébia.

.



Acima, foto da Estação em 10 de maio de 2012.

.





Acima, quatro fotos da Estação em 03 de março de 2010.

.


Fotos da Estação de Dona Euzébia em mais uma seção ontem/hoje:







quarta-feira, 23 de maio de 2012

Histórias da LOCOMOTIVA N° 50 contadas por Edson Honorato.

Foto 01

.
O amigo Edson Honorato, ferroviário aposentado e seguidor de nosso blog, nos enviou algumas "fotos históricas” de duas belíssimas locomotivas – a N° 50 e a N° 221.
Nesta matéria, apresentamos as fotos da N° 50, acompanhadas do seguinte relato do Edson:

“Caro amigo, as fotos 01, 02 e 03 são da locomotiva n° 50.
Na época das fotos 01 e 02, ela pertencia a Usina de Açúcar Santo Amaro, localizada no Farol de São Tomé, na cidade de Campos.
A usina possuía duas locomotivas e, com sua falência, elas foram vendidas.
A de n° 50 foi importada  por uma Usina de Pernanbuco, depois revendida para a Usina São José, em Campos-RJ. Posteriormente é que ela foi adquirida pela Usina Santo Amaro. Tem a rodagem 0-10-0, não possui rodas guias.
Ela foi vendida para a ABPF, cidade de ANHUMAS, SÃO PAULO e seguiu de carreta para seu destino.
Veja como ela ficou depois de reformada na foto n° 03, a total modificação.”
.

Foto 02

.

Foto 03



segunda-feira, 21 de maio de 2012

Em Fortaleza - CE, antigo vagão ferroviário é transformado em Biblioteca.


Mais um belíssimo exemplo de boa destinação para equipamentos ferroviários que estão abandonados e apodrecendo em muitos pátios por esse Brasil a fora.
Trata-se de um antigo carro de passageiros da Rede Viação Cearense que foi transformado em Biblioteca Municipal, em Fortaleza – CE.
O colega/pesquisador ferroviário Antonio Pastori esteve lá para conferir e nos enviou as belas fotos desta matéria.
Segundo Antonio, esse "vagão" pertenceu à Rede de Viação Cearense - antiga Estrada de Ferro de Baturité -, aberta em seu primeiro trecho em 1872 a partir de Fortaleza e prolongada nos anos seguintes. Em 1909, a linha foi juntada com a E. F. de Sobral para se criar a Rede de Viação Cearense, imediatamente arrendada à South American Railway. Em 1915, a RVC passa à administração federal. A linha chega ao seu ponto máximo em 1926, atingindo a cidade do Crato, no sul do Ceará. Em 1957 passa a ser uma das subsidiárias formadoras da RFFSA e em 1975 é absorvida operacionalmente por esta. Em 1996 é arrendada juntamente com a malha ferroviária do Nordeste à Cia. Ferroviária do Nordeste (CFN). Trens de passageiros percorreram a linha Sul supostamente até os anos 1980 (fonte: site www.estacoesferroviarias.com.br, do colega/pesquisador, Ralph Mennucci Giesbrecht).
Dados técnicos:
carro de passageiros, bitola 1,0 metros, comprimento: ~12 metros
Localização: Rua Costa Barros, na Praça da CeArt, próximo à Barão de Studart
Horário de Funcionamento: segunda à sexta-feira, das 12h às 18h.
Contatos: Setor de Administração da Praça Luiza Távora (a biblioteca não possui telefone): (85) 3101-1624.
Falar com Dra. Josete Andrade (Coordenadora dos setores de Artesanato e Economia Solidária) ou mandar email para: renediasalves@hotmail.com funcionário da Biblioteca.

Fotos: Antonio Pastori





Antônio Pastori em visita ao Vagão-Biblioteca, em Fortaleza-CE.







sexta-feira, 18 de maio de 2012

ESTAÇÃO ASTOLFO DUTRA - Prédio em bom estado de conservação mostra sinais recentes de pintura.



Acima, foto de 03 de março de 2010.



Acima, fotos de 10 de maio de 2012.







.


Segundo informações colhidas no site www.estacoesferroviarias.com.br, de Ralph Mennucci Giesbrecht, a Estação de Astolfo Dutra foi inaugurada em 1879 com o nome de Santo Antonio, na localidade de Porto Santo Antonio, na época pertencente ao município de Pomba. Há fontes que dão o ano de 1880 para a sua inauguração.
Ao lado da antiga Estação funciona hoje a Rodoviária Municipal. Por duas vezes estive em Astolfo Dutra para sessões de fotos e encontrei o prédio fechado. Segundo informações colhidas de pessoas próximas da antiga estação, funciona no local algum tipo de projeto público, sem saber precisar qual. O prédio encontra-se em bom estado de conservação, aparentando ter sido pintado recentemente.
Andando pelas ruas da cidade próximas a onde passava o trem ainda encontramos trechos com trilhos.



Acima, foto de 10 de maio de 2012.
.


.

Nas fotos acima, o trecho conhecido como "Reta", de quem vai em direção a Dona Euzébia, ainda encontramos trilhos assentados.

.


Mais uma sessão nostalgia, no comparativo ontem/hoje.



























quarta-feira, 16 de maio de 2012

ESTAÇÃO SOBRAL PINTO - Hoje, parada de Ônibus da Comunidade.

 Acima e abaixo, fotos de 03 de maio de 2012.







Logo após passar pela Estação de Diamante, chegava-se à Estação de Sobral Pinto, também inaugurada entre os anos de 1879/1880 com o nome de Pomba, pois ficava originalmente neste município. Segundo levantou o amigo Ralph Mennucci Giesbrecht  em seu site www.estacoesferroviarias.com.br com a abertura da estação de Pomba em 1886, em ramal próprio que saía da estação de Guarani, na linha de Caratinga, da mesma Leopoldina, a estação mudou o nome. Não se sabe se isso aconteceu imediatamente. O nome atual, Sobral Pinto, parece ter vindo bem mais tarde.
Funcionando hoje como Parada de Ônibus local, na ocasião de minha visita ao prédio da antiga Estação, também funcionava ali a um Posto Policial e uma Unidade Básica de Saúde provisória. O prédio está em bom estado de conservação, com uma bela e aconchegante praça próxima a ela.
Graças à valiosa contribuição do amigo Hugo Caramuru, pude traçar logo abaixo alguns comparativos ontem/hoje. Espero que gostem!


Fotos: Amarildo Mayrink



               Abaixo, fotos de 03 de maio de 2012.









Abaixo, fotos de 10 de março de 2010.






Festival Ontem/Hoje