terça-feira, 18 de setembro de 2012

Com a preciosa colaboração de Hugo Caramuru, Locomotiva Diesel U12 - Elas também deixaram sua marca em toda a Zona da Mata Mineira.


Apesar de termos uma página dedicada às Locomotivas aqui no site, as Diesel U12 merecem um destaque pelo trabalho desempenhado nos Ramais da Leopoldina pela Zona da Mata Mineira.
Após o longo período de reinado das Locomotivas a Vapor, veio a era das Locomotivas Diesel na EFL, onde as U12 reinaram no transporte de passageiros e cargas que trafegavam nos ramais de Caratinga e Manhuaçú.
Com o fim dos ramais, as U12 passaram a ser usadas no ramal de Guapimirim, no Subúrbio do Grande Rio.
Foram muitos os registros fotográficos das U12 em nossa região, como pode ser visto nas fotos abaixo, do Acervo Fotográfico de Hugo Caramuru.

Uma U12 descarrilada em Cataguases, Minas Gerais.

Outra U12, também em Cataguases.


Na seqüência abaixo, as U12 atuando no Ramal de Guapimirim, no Subúrbio do Grande Rio.














domingo, 9 de setembro de 2012

ESTAÇÃO ERICEIRA - no Município de Santana do Deserto.







Estação Ericeira

Município de Santa do Deserto - MG
Estive na Estação em: Não.
Estação inaugurada em:  05 de agosto de 1904
Ramal: Linha de Caratinga - Km 142,516 (1960)
Altitude: 300m

Uso Atual – Restaurante.









Localizada no Município de Santana do Deserto, a Estação de Ericeira foi aberta em 1904 e veio a fazer parte da linha que unia Três Rios a Bicas. Por ali passaram trens até a metade de 1970.
Ainda não visitei pessoalmente o local. As fotos são uma preciosa contribuição do amigo Humberto Carino Moreira, outro pesquisador ferroviário, que percorreu a região em julho deste ano e nos enviou estes belos registros.
Pelas fotos, podemos perceber que o prédio da antiga Estação encontra-se muito bem cuidado, onde hoje funciona um comércio de plantas e um aconchegante restaurante.

Leia mais sobre a Estação Ericeira no link abaixo:
http://otremexpresso.blogspot.com.br/2016/06/minha-visita-estacao-ericeira_8.html

















Antiga Casa de Turma próxima à Estação de Ericeira.




quarta-feira, 5 de setembro de 2012

História da Estrada de Ferro Guararense.


Matéria atualizada em 09 de janeiro de 2018.



Acima, recorte do Jornal “O Guarará”, de 19 de julho de 1896 (Biblioteca Nacional).


Hoje quero resgatar uma importante parte da história do transporte sobre trilhos em Bicas e Guarará.
Trata-se da Estrada de Ferro Guararense, posteriormente denominada Cia. Ferrocarril Guararense, história que me levou a pesquisar arquivos de fotos antigas, contando principalmente com a preciosa contribuição de minha irmã Marly Maria Mayrink - outra pesquisadora por natureza - que após passar uma tarde garimpando histórias em antigos jornais da Zona da Mata de Minas Gerais na Biblioteca Nacional, encontrou algumas preciosidades como as propagandas da Estrada de Ferro Guararense, publicadas no Jornal O Guarará, datado de 29 de julho de 1896 com anúncios de horários e preços das passagens.
Nos anúncios de jornal garimpados por Marly, podemos ver a preocupação dos administradores da Ferrovia em combinar seus horários com os horários dos trens da Leopoldina.
Neste trabalho, contei também com a colaboração da página "Guarará - História em Fotos", cujo endereço é: http://guararahistoria.blogspot.com.br/2017/06/a-historia-da-estrada-de-ferro.html


Originalmente denominada Estrada de Ferro Guararense, este pequeno ramal ferroviário foi inaugurado em 23 de julho de 1896 circulando com três viagens diárias regulares entre as localidades. Com sede na Villa do Espírito Santo de Guarará, esta ferrovia tinha como objetivo ligar o Distrito Sede à Villa de Bicas, ainda distrito de Guarará.
Os trens da E. F. Guararense trafegavam sobre uma bitola de 0,60m e saíam da Praça do Divino Espírito Santo, no centro, percorrendo 4 km até a Villa de Bicas, onde estacionavam próximo à estação da Estrada de Ferro Leopoldina, em frente a um bar, local onde hoje está situado a Prefeitura de Bicas.
O principal motivo da construção desta ferrovia era escoar a produção agrícola de Guarará, especialmente o café, principal iguaria produzida na cidade, como também e toda a Zona da Mata Mineira. 

Infelizmente, logo no início de seu funcionamento, apresentaram-se falhas de ordem técnica tendo seu plano de construção e concretização notoriamente mal concebido, especialmente na aquisição dos equipamentos, como locomotiva extremamente pequena para tracionar com vagões de grande porte se comparados a ela, somado aos problemas orçamentários existentes antes mesmo de entrar em operação levando a E. F. Guararense a operar por não mais que dez meses.



Acima e abaixo, páginas do Almanaque do Município de Guarará, de 1899, relatam os problemas enfrentados pela estrada de Ferro Guararense que acabaram levando à desativação da mesma.





Na foto acima, o Bonde tracionado por animais tinha como ponto de partida em Bicas o local onde hoje está situado o prédio da Prefeitura da cidade. Na foto, vemos a Rua dos Operários e a Estação Ferroviária ao fundo.


Ferrocarril Guararense.
Buscando não deixar se perder todo o investimento para a construção da ferrovia, em janeiro de 1899 começou a funcionar a Ferrocarril Guararense, utilizando a mesma malha ferroviária da antiga E. F. Guararense, agora com vagonetes adaptados para tração animal transportando passageiros e pequenas cargas. Este modelo de transporte funcionou até 1923, encerrando definitivamente o transporte sobre trilhos entre as localidades, tendo os trilhos retirados no ano seguinte e o antigo leito transformado em estrada de rodagem. 


Modelo de Bonde de tração animal da Ferrocarril Guararense, que substituiu o trem da Estrada de Ferro Guararense.


Projeto de Lei autorizando a venda da Estrada de Ferro Guararense.



Na foto acima postada por Edna Galil no facebook, belo registro da Rua Coronel Souza datado de 1920, em frente a onde hoje está situado o Banco do Brasil. Nela vemos os trilhos do Bonde, por onde um dia também passou o Trem da Estrada de Ferro Guararense.




Muito se fala sobre a famosa "Rua do Bonde", sobre o porquê deste carinhoso “apelido” à Rua Artur Bernardes, aqui em Bicas. Tal "apelido" nasceu do fato de nela ter passado por alguns anos o bonde transportando passageiros na época em que a Villa de Bicas era Distrito de Guarará.


Na foto acima, outro registro do Bonde tracionado por animais passando pela localidade de Areal, já no Município de Guarará.