sábado, 11 de janeiro de 2014

ESTAÇÃO SANTANA DE CATAGUASES - Mais um ramal da Estrada de Ferro Leopoldina.

Pintura do artista santanense Jerus da Fonseca Santos.



Quadro de horários publicado em jornal da época.




Estação de Santana de Cataguases.


 





Estação Santana de Cataguases

Estive na Estação: janeiro de 2014

Inaugurada em: 14 de abril de 1895

Ramal de Cataguases  -  Km 369,984 (1960)









Após conhecer a cidade de Leopoldina, o local da antiga estação, o acervo fotográfico de Luiz Otávio e as belas obras de arte de Luciano Meneghite, parti para a última visita do dia na primeira viajem de pesquisas de 2014. Destino: Santana de Cataguases.
Diferente de Leopoldina, a cidade de Santana de Cataguases, já denominada João Pinheiro, nos recebe com sua antiga Estação Ferroviária logo na chegada, na praça de entrada da cidade.
Encontrei-a em reformas, com as telhas da cobertura da antiga plataforma agrupadas no chão. Segundo informações, há a necessidade de trocar o madeiramento do telhado por medidas de segurança. No local vinha funcionando um escritório da EMATER antes de iniciarem a reforma.
Segui então para mais uma seção de fotos e busquei mais algumas informações sobre ela em um posto de saúde localizado bem em frente.
Mais uma vez a sorte estava do meu lado! Fui super bem recebido pela agente de saúde Sra. Eduvirges Milane que ficou feliz com o objetivo da minha visita. Veio então mais uma surpresa quando ela pediu que aguardasse e ligou para seu filho Ernane Machado Milane e depois me disse: “olha, meu filho tem uma bela pintura de um artista local que retrata a chegada do trem aqui na estação, tenho certeza que irá gostar!”.
Com as coordenadas de Dna. Eduvirges segui para o centro da pequena, mas agradável cidade e facilmente encontrei a casa de Ernane, que já me aguardava com mais informações sobre a passagem do trem na cidade. Apresentou-me a página da cidade no facebook “Memória Santanense” com um belíssimo e histórico acervo onde encontramos mais registros fotográficos da ferrovia na cidade.
Em seguida, trouxe duas belíssimas telas, obras do artista local Jerus da Fonseca Santos, uma retratando a praça principal da cidade destacando a Igreja Matriz e a segunda, aquela que Dna. Eduvirges havia me indicado, a chegada do trem na Estação de Santana de Cataguases.
Dali retornei para a praça da estação para continuar a seção de fotos aqui apresentadas. Além delas, trago outras fotos da estação também apresentadas no facebook “Memória Santanense”, destacando duas mostrando que a Câmara Municipal de Santana de Cataguases já funcionou ali.










Maria-Fumaça parada na estação de João Pinheiro em Santana de Cataguases.



Segue um breve histórico de Gilmar de Oliviera Costa, também de Santana de Cataguases:
A estação de João Pinheiro foi inaugurada em 1895 pela E. F. Cataguazes. Ela era a estação terminal do ramal de Cataguazes. O Guia Geral das Estradas de Ferro de 1960 dá como data de inauguração da estação o ano de 1903, o que pode ser, na verdade, apenas a data de incorporação pela Leopoldina, que adquiriu o ramal nesse ano. Nos anos 1940 passou a se chamar Santana de Cataguazes. Foi fechada com o ramal, em 10/04/1965. Para se ir com o trem para lá, em 1962, havia que se embarcar em Cataguazes às 17:25 e descer em Sereno às 17:52, onde se baldeava, às 18:20, para Santana de Cataguazes, onde se chegava às 18:55. Para voltar, o trem saía para Sereno, no percurso contrário, às 7:35 da manhã do dia seguinte. (Fontes: Guias Levi, 1932-1970; Guia Geral das Estradas de Ferro, 1960; Edmundo Siqueira, Resumo Histórico da The Leopoldina Rwy. Co. Ltd., 1938) HISTÓRICO DA LINHA: Os dois ramais, o de Miraí, que partia de Cataguazes, e de Santana de Cataguazes, que partia de Sereno, no primeiro ramal, foram abertos em 1895, pela E. F. Cataguazes, empresa que foi incorporada à Leopoldina em 26/03/1903. O ramal de Cataguazes foi suprimido em 10/04/1965 e o de Mirai, em 31/03/1967. 

Foto: Gordinho KTA - Memória Santanense.



Foto de Vinícios de Souza Oliveira - Memória Santanense.

Restaurada por Amarildo Mayrink
















 A Praça da Matriz, em mais uma pintura do artista santanense Jerus da Fonseca Santos.


Foto: Juliana Nogueira - Memória Santanense.



Na antiga estação funcionou também a Câmara Municipal de Santana de Cataguases, como pode se visto nas três fotos acima.





Um comentário:

  1. Cadê a Estação de Sereno? Não estou conseguindo acessar.
    uma pequena observação sobre o texto acima: Lembro-me que o trem vinha de Cataguases, já com um vagão que, ao chegar em Sereno, seguiria direto para Santana e, na volta, vindo já lotado de Santana, em Sereno seguiria para Cataguases. Ou seja, não eram todos os passageiros que precisavam baldear em Sereno, pois ao sair de Cataguases, os passageiros para Santana já tomavam o va gão que iria até Sereno. O que ocorria é que em Sereno:

    01. A linha única vinda de Cataguases se bifurcava em duas, pouco depois da Estação.

    02. Próximo à Estação, havia um Triângulo de Reversão da direção das máquinas;

    03. Uma locomotiva a mais sempre aguardava de dia em Sereno, a chegada dos vagões compostos vindos de Cataguases com uma só máquina: Um ou mais vagões rumos a Miraí e outro, normalmente um apenas, rumo à Santana.

    04. A máquina ao chegar de Cataguases, seguia mais à frente um pouco para uma das linhas ramais, normalmente já com seu vagão; e a outra máquina que permanecera aguardando em Sereno, vinha até à Estação ser emendada a seu vagão de passageiros para continuar a viagem.

    05. Havia em Sereno, para guardar a máquina durante o dia, próximo à Estação, um grande galpão bem coberto de telhas, onde as andorinhas à tardinha gostavam de vir para passar a noite. Tenho foto do galpão, caso desejem.

    ResponderExcluir